• Projeto Chōchō

    Saiba como tirar como as crianças da frente de celulares, tablets e TV’s

    Atualizado: 23 de Mar de 2019


    As novas tecnologias como celulares, tablets e TV’s, são de grande ajuda para muita gente, mas também podem interferir no desenvolvimento normal de funções como a atenção, a concentração e o autocontrole.


    Ouvimos, frequentemente, pessoas de faixas etárias mais velhas apontarem a televisão como um dos grandes responsáveis pela falta de educação, de capacidade de sociabilização e de desenvolvimento das gerações mais novas. É preciso, porém, encararmos este meio de comunicação exatamente do modo oposto.


    Desde que bem usada, a televisão ou o YouTube pode ser mais uma entre as muitas formas que os pais têm à sua disposição, hoje em dia, para educarem os seus filhos.


    Contudo, a maioria dos especialistas desaconselha o seu uso nos primeiros anos de vida por causa do alto risco de vício. Nos adultos esse efeito já está demonstrado e suspeita-se que o impacto nas crianças pequenas seja maior ainda, porque o seu cérebro ainda está em desenvolvimento.


    A recomendação de especialistas é que, nenhum contato com aparelhos eletrônicos seja permitido até os dois anos, principalmente durante as refeições ou antes de dormir.

    Não à toa o Bill Gates, antigo CEO da Microsoft, impediu que seus filhos tivessem celulares até completarem 14 anos (hoje, a idade média para uma criança obter seu primeiro celular é de 10 anos). Steve Jobs foi ainda mais longe: ele revelou em uma entrevista ao New York Times em 2011 que havia proibido seus filhos de usarem o recém-lançado iPad. Na época a Eve Jobs, sua filha mais nova, tinha 16 anos.


    Ainda de acordo com o New York Times, chefes e empregados de empresas como Google, Apple, Yahoo e eBay, situadas no famoso Vale do Silício, matriculam seus filhos em uma escola da região que proíbe o uso de computadores, celulares, tablets e TV’s ou qualquer outra tecnologia portátil.


    Essa atitude é baseada em estudos recentes, que mostram como a conectividade pode causar danos à mente das crianças em desenvolvimento. Artigos publicados pela JAMA Pediatrics, associa a relação direta entre a hiperexposição aos aparelhos eletrônicos, como tablets, jogos de celular e computadores, a atrasos de aprendizado e linguagem.


    De acordo com o estudo, brincadeiras são mais valiosas para o cérebro em desenvolvimento do que os aparelhos tecnológicos.

    Um dos problemas da modernidade é que a relação com dispositivos eletrônicos tem começado cada vez mais cedo. O uso abusivo dos aparelhos tecnológicos pode causar danos no desenvolvimento, na saúde e no desempenho escolar das crianças.


    Em outras pesquisas publicadas pela mesma organização, apontam que crianças que ficam muito tempo na frente da televisão ou que usam aparelhos eletrônicos por muitas horas, apresentam maior peso corporal, praticam menos atividade física e têm mais dificuldades para dormir. (confira os artigos originais no link ao final desta matéria).



    Os filhos têm os pais como principais exemplos e, geralmente, copiam boa parte dos seus comportamentos. Por isso, os adultos também devem evitar passar muitas horas no telefone ou na tv.

    Mas como evitar tanta exposição a celulares, tablets e TV’s?

    Veja abaixo 5 dicas (e uma bônus) de como diminuir o tempo das crianças na frente do celular, e faça dos dispositivos eletrônicos seus aliados no dia a dia do seu filho!


    Não faça da TV uma companhia

    Antes de mais nada, é imprescindível que ensine os seus filhos a não encarar a televisão como uma companhia ou um barulho de fundo. Ela só deve estar ligada quando efetivamente alguém estiver a ver algum programa devidamente selecionado. Além disso, antes de ligar a televisão, mude a pergunta que faz aos seus filhos. Troque a questão “Querem ver TV?” por outra como “O que vamos ver hoje?” ou “E se víssemos aquele programa dos animais selvagens?”


    Controle o tempo

    É importante que encare os aparelhos eletrônicos como se fossem doces ou sobremesa. Eles até podem consumir, mas com moderação. Para isso, estipule um tempo diário para que usem o celular ou joguem vídeo game. Esse tempo deve ser definido de acordo com a sua faixa etária. Especialistas defendem que crianças com menos de 2 anos não devem assistir televisão mais do que 15 minutos diários, uma vez que um período superior poderá interferir com as suas reações cerebrais. Esse período diário deve ser gradualmente aumentado à medida que a criança também vai crescendo. Com 4 anos, já poderá ver cerca de uma hora de televisão por dia.


    Escolha os programas e os jogos, privilegiando os mais calmos

    Para que possam tirar partido máximo dos conteúdos digitais, as crianças devem ser ensinadas a escolher os programas certos. Instigue-as a procurar conteúdos educativos e enriquecedores que as levem à descoberta do mundo. Numa fase inicial, deve igualmente ter um outro cuidado: o de assistir somente programas calmos. Isto fará com que tenham tempo de processar e absorver a informação. Do mesmo modo, programas com muita ação ou muito agressivos, podem ser mal absorvidos e desencadear situações de agitação, pesadelos e comportamentos violentos.


    Assista aos programas com os seus filhos

    Nada melhor para limitar o tempo que as crianças passam à frente da TV, assim como os conteúdos que assistem, do que fazer do “ver televisão”, um programa de família. Selecione os programas pertinentes com a idade da criança, filtrando os que apresentem conteúdos que ele seja capaz de compreender. Além de ser uma medida educativa, este truque faz com que as crianças entendam que só irão ver televisão naquele momento que já está previamente definido pelos pais, o que ajuda a diminuir a habituação e, consequentemente, a dependência.

    Amplie o conteúdo dos programas para lá da TV

    É essencial que reserve algum do seu tempo para explicar, esclarecer ou acrescentar informações sobre o que viram na televisão. Use livros, jogos, ilustrações, o que entender. O importante é despertar o interesse dos seus filhos e não deixar dúvidas no ar. Além disso, esta é uma excelente estratégia para diminuir o tempo que as crianças passam a ver televisão e encaminhá-las para outras atividades, igualmente importantes.


    Bônus para você: mudanças para começar hoje!

    • Defina um horário durante o qual as crianças poderão ver TV. Esse horário deverá ser criteriosamente seguido e não deverá ocupar o lugar de outras atividades.

    • Não coloque uma televisão no quarto das crianças e nem dê um celular ou tablet para ele, pois isso pode levar com que elas se refugiem no quarto e fiquem horas . A TV deve estar restrita à sala e, eventualmente, à cozinha. Já o celular ou iPad deve ser o seu, ficando bem esclarecido que você está emprestando para ele.

    • Proporcione outros meios de "cultura'' às crianças que não apenas a televisão: cinema, teatro, espetáculos musicais, museus, a leitura de livros na hora do conto.

    • Na hora das refeições, desligue a televisão e o celular e concentre-se no convívio entre a família.

    • Organize atividades diferentes para fazer com os seus filhos – dedique mais tempo para eles e não os deixe “abandonados” à TV.

    • Os filhos têm os pais como principais exemplos e, geralmente, copiam boa parte dos seus comportamentos. Portanto, o ideal é que os adultos também não passem muitas horas a ver televisão.


    Artigos sobre este tema, publicados pela JAMA Pediatrics:


    A influencia de aparelhos eletrônicos no desenvolvimento da fala e da comunicação de crianças .


    A relação entre assistir televisão e o peso corporal em crianças.


    A influência do uso de aparelhos eletrônicos no sono de crianças.



    Fonte: Pequenada

    90 visualizações

    © 2020 Projeto Chōchō