• Projeto Chōchō

    Saiba como acabar com as crises de birra dos seus filhos com 8 dicas incríveis!

    Atualizado: 6 de Mar de 2019


    As tentativas das famílias para acalmar as birras de seus filhos e filhas geralmente não são eficazes, e o surto continua. Em muitas ocasiões, essas tentativas têm o efeito oposto e estimulam o surgimento de novas birras. Para pôr fim a este círculo vicioso, descubra 8 dicas para acabar com as birras infantis.

    As birras infantis são um estado de impaciência e raiva típicas de crianças pequenas, especialmente no segundo ano de vida. Geralmente, se originam por um pequeno motivo e, neste caso, duram pouco tempo.


    Este é um comportamento habitual e natural em crianças de qualquer idade, mas são mais comuns entre 18 meses e 3 anos, podendo durar até 5 ou 6 anos, e depois, desaparecem gradualmente.


    As crianças nos colocam em teste constantemente e ficamos desesperados, mas devemos ter em mente que eles não fazem isso com a intenção de nos incomodar. Simplesmente, eles ainda não sabem como se expressar de qualquer outra forma .

    É fácil detectar uma birra: a criança é jogada no chão, o grito acontece, chuta, bate em si mesmo ou o que ele encontra ao seu redor, fica pendurado nas nossas pernas ou pode até bater e insultar. 

    A coisa mais surpreendente sobre as birras  não é a frequência (às vezes, diariamente) ou o quão logo elas aparecem (às vezes, antes que a criança comece a falar ). O mais impressionante é o ímpeto que os pequenos colocam na birra. Isso acontece porque eles ainda não controlam suas emoções e nem sequer se sentem inibidos ou envergonhados. O lado bom é que, embora os acessos de raiva não desapareçam imediatamente, pelo menos eles diminuem de intensidade com o passar dos anos.


    LEIA MAIS Baixa Autoestima: O que fazer quando a criança apresenta indícios?

    Nessa idade, eles ainda não toleram a frustração e acham difícil entender que nem sempre conseguem o que querem. Se eles também não são capazes de verbalizar o que querem, o resultado é a fórmula ideal para a birra acontecer.


    Portanto, para que essas reações desapareçam não depende apenas de conseguir o que querem ou não. Elas diminuirão quando perceberem que não afetam seus pais e, especialmente, quando podem tolerar a frustração e expressar  em palavras o que até agora só pode se manifestar com acessos de raiva .



    Causas das Birras

    Há muitas causas que podem desencadear a birra em uma criança, desde vontade de chamar a sua atenção, desejar o que não é seu, tentar mostrar o quão independentes elas são, ou simplesmente por se sentirem cansadas e frustradas.



    As tentativas das famílias para acalmar as birras de seus filhos e filhas geralmente não são eficazes, o surto continua. Em muitas ocasiões, essas tentativas têm o efeito oposto e estimulam o surgimento de novas birras. Para pôr fim a este círculo vicioso, descubra como acabar com as birras infantis em 8 passos .


    LEIA MAIS 10 erros que você comete com seu filho!! (e como fazer para corrigi-los).


    1. Antecipar

    Os pais podem detectar estes sinais que indicam que uma birra vai começar e podemos evitá-los, por exemplo, não passando em frente a loja de brinquedos ou o parque se não pudermos sair ou sair da compra por um tempo quando não estamos com as crianças.


    2. Seja mais flexível

    Às vezes os pais recorrem demais ao "não" e colocamos muitas regras e limites que frustram as crianças e fazem com que elas tenham uma crises de birra. Antes de negar-lhe tantas coisas, é importante pensar se estamos sendo muito autoritários com eles.


    3. Não discuta com a criança

    Naqueles momentos de grande birra em que ele não ouve e só grita, é preferível permanecer calmo e firme, não mostrar à criança que nos desesperamos ou ficamos nervosos. Não preste muita atenção ao que está acontecendo e espere que ele se acalme, mesmo se você estiver na rua e estiver sujeito a olhares reprovadores. 


    LEIA MAIS 4,5 problemas mais comuns da adaptação escolar do seu filho: saiba como lidar com eles


    4. Mantenha a calma

    Mesmo que a criança grite, não levante o tom de voz ou fique nervoso. A paciência é nossa grande aliada nesses casos. Se a situação permitir e a criança puder escutar, podemos pegá-lo pelos ombros, tentar nos olhar nos olhos e explicar de forma calma, por exemplo, por que temos que ir para casa e não podemos continuar brincando no parque.


    5. Evite danos

    Se a criança for agressiva, tentar se machucar ou machucar os outros,é necessário pegá-la nos braços e manter a calma. Não devemos sacudi-lo nem gritar, só o seguraremos até ele se acalmar.


    6. Oferecer alternativas

    Caso a raiva esteja aumentando, é conveniente oferecer outra atividade que eles gostem antes que a birra aumente. Por exemplo: se ela não pode continuar brincando no parque, você pode dizer que ela pode brincar em casa, porque vocês vão pegar tinta e papel e fazer um grande desenho juntos.


    7. Diálogo com a criança

    Quando a birra passa é quando podemos conversar com eles e explicar por que você tomou essa decisão, o que eles fizeram de errado e por que eles não deveriam se comportar assim.


    8. Não dê importância para a birra na frente da criança

    Se falarmos para os outros ou mesmo para a criança constantemente sobre a birra ela fez, estaremos mostrando a eles como que o comportamento birrento nos afeta. Eles saberão que temos medo de que eles façam novamente. Você deve evitar frases como: "vamos ver se hoje você não faz nenhuma cena" ou "você não sabe o que ele/ela fez ontem no supermercado." 


    LEIA MAIS Como os programas socioemocionais fazem a diferença


    É importante ter em mente que, pouco a pouco, as crianças desenvolverão suas habilidades comunicativas e linguísticas, e elas entenderão que nem sempre podem fazer tudo o que querem, diminuindo assim, as crises de birra.


    No entanto, para que a criança passe por esta fase, é essencial ajudá-los no seu desenvolvimento. Por vezes, os pais, na tentativa de que a criança não passe por frustrações, acabam tendo o efeito contrário. A criança aprende então que com a birra ele consegue o que quer, e sua frustração é reduzida. Nestes casos, a birra é reforçada e generalizada, podendo acompanhá-la em fases posteriores do seu desenvolvimento.


    Fonte: Projeto Chōchō


    141 visualizações

    © 2020 Projeto Chōchō