• Projeto Chōchō

    O que fazer quando seu filho reprova na escola?

    A escola é difícil para muitas crianças, principalmente quando a criança passa por muitas mudanças ao mesmo tempo, como é o caso aqui no Japão. Mas o que você faz quando o seu filho reprova de ano?

    Seu filho reprovou de ano? Saiba o que você pode fazer para que seu filho não passe por isso novamente ao final deste ano!

    Com exceção do ambiente familiar, a escola é o local onde as crianças passam mais tempo do dia delas.


    É na escola que elas aprendem a interagir socialmente, a fazer amigos, a falar em público e a assumir maiores responsabilidades.


    Conforme os anos vão passando, a dificuldade vai aumentando. Mais disciplinas vão surgindo, e com isso, mais horas de estudo são necessárias. A rotina que a criança ou o jovem tinha no ano anterior, muitas vezes é modificada radicalmente no ano seguinte, principalmente se ela muda para o ensino fundamental 2 ou para o ensino médio (chuugakko e koukou aqui no Japão, respectivamente).


    Para a realidade japonesa, as crianças não reprovam de ano. Quando a criança não consegue acompanhar o ritmo da turma, ela é "empurrada" para o ano seguinte, acumulando com isso toda a defasagem do ano anterior com a carga de conteúdos do ano seguinte.


    No Brasil (e as escolas brasileiras aqui no Japão), a coisa muda de figura. Com exceção dos três primeiros anos, onde há uma recomendação do MEC para que as escolas não reprovem as crianças, os estudantes a partir do quarto ano já passam a correr o risco de ficarem retidos.


    Não estamos aqui para comparar qual sistema educacional é melhor ou pior. Cada país segue a sua legislação, e embasados em dados históricos e metodologias de ensino próprios, adota a forma mais apropriada para a sua realidade.


    Nosso objetivo hoje, é ajudar você a entender os motivos que podem estar levando o seu filho a reprovar (ou a não conseguir acompanhar o ritmo) na escola.


    É claro que fazer com que o aluno seja obrigado a rever todo o conteúdo de um ano escolar pode ser frustrante. Mas cada criança tem seu ritmo de aprendizagem e nem todas se utilizam das mesmas estratégias cognitivas durante o processo.


    LEIA MAIS: 4,5 problemas mais comuns da adaptação escolar do seu filho: saiba como lidar com eles


    Por que a criança reprovou?


    Para realizar qualquer tipo de intervenção, a primeira coisa é descobrir quais as causas do problema. O que levou o seu filho a reprovar de ano?


    A resposta para esta pergunta pode ser muito mais complexa que simplesmente: "ele não estudou o suficiente". Para ajudar você a chegar no diagnóstico, é importante que você se faça estas perguntas:

    • Meu filho algum dia expressou suas dificuldades?

    • Meu filho está passando por grandes mudanças que podem estar afetando o rendimento escolar?

    • A escola me alertou sobre o mau desempenho do meu filho?

    • Eu participei das reuniões escolares?

    • Eu frequentemente acompanhei o meu filho durante as tarefas de casa?

    • Eu separei momentos da minha semana ao longo do ano para conversar com o meu filho sobre como está a escola e se ele está enfrentando dificuldades?

    Questionamentos como este podem ajudar você a gerenciar melhor o problema, fazendo com que você reveja algumas coisas, inclusive se vale a pena mudar a criança de escola ou não.

    LEIA MAIS: A importância da família no desenvolvimento da criança


    Qual a minha responsabilidade enquanto pai ou mãe?


    Tão importante quanto prover comida e cuidar da saúde, acompanhar de perto a vida escolar do filho é uma responsabilidade da qual os pais não podem fugir. É muito importante frequentar as reuniões escolares, conversar sobre o que a criança está aprendendo, olhar a lição. Isso transmite ao filho uma mensagem de interesse e valorização do aprendizado.


    A parceria entre família e escola é fundamental. Quanto maior a participação dos pais no dia a dia escolar, melhor o rendimento do aluno, pois, quando a família mostra o valor e a importância dos estudos, o filho entende e fica mais motivado. Pais que se interessam pelo dia a dia escolar tendem a exercer uma influência positiva, e isso se reflete no comportamento da criança.


    Porém, o acompanhamento não pode vir com gritos ou brigas, senão a criança esconde o mau desempenho. A primeira coisa é saber o que está dando errado e isso só será possível conversando com a equipe pedagógica e com o filho.


    Com a rotina intensa de trabalho dos pais, fica um pouco difícil acompanhar a rotina do filho. Porém, o aluno com dificuldade não demonstra isso só no último bimestre (ou trimestre), mas sim durante todo o ano letivo. Por isso. a família é fundamental nesse processo, não deixe toda a responsabilidade com a escola.


    LEIA MAIS: Baixa Autoestima: O que fazer quando a criança apresenta indícios?

    O que você pode fazer


    1. Trabalhe a autoestima do seu filho: é preciso que a família e a escola façam com que a criança se sinta segura e acolhida para iniciar o novo ano escolar. Além disso, diversos estudos mostram que a autoestima é essencial no processo educacional. Deixe claro o grande potencial que seu filho tem. Faça com que ele encare a retenção como uma oportunidade de melhoria, uma nova chance de aprender aquilo que ele deixou passar.

    2. Crie uma rotina: é importante reorganizar os hábitos domésticos e estipular uma rotina com horários definidos para comer, dormir, fazer lição e se divertir, para que ele não sinta raiva dos estudos. Afaste as distrações do seu filho durante os horários estipulados para estudo, como telefones, videogames, esportes e amigos, até que o aluno possa gerenciar seus trabalhos escolares. Embora isso possa ser difícil, pais e responsáveis ​​devem ter controle e definir regras para o uso do telefone, videogames e muito mais, principalmente se as notas de seus filhos caírem.

    3. Não acredite em tudo que as crianças dizem: Sim, você leu certo. Alunos com baixo rendimento escolar tendem a mentir sobre o que está acontecendo na escola e na sala de aula. Eles podem dizer que o professor não gosta deles , mas o problema pode ser que a criança está tendo um problema de comportamento ou conversando de mais nas aulas. Talvez eles digam que o professor vai rápido demais. Se for esse o caso, seu filho pode não estar fazendo perguntas. Vá à escola e converse com o professor para descobrir o que exatamente está acontecendo na sala de aula.

    4. Não deixem seu filho ficar com trauma da escola: Muitas crianças ficam muito receosas ao iniciar o novo ano na mesma série. Algumas ainda pensam em desistir da escola quando reprovam mais de uma vez. Converse com seu filho. Transmita confiança e tranquilidade. É um novo ano com novos colegas. Ele tem a oportunidade de fazer tudo diferente desta vez, para que ao final do ano ele tenha sucesso.

    5. Não deixe ele (e nem você) compará-lo aos outros: Sabe aquilo que sua mãe dizia quando todos os seus colegas iam a uma festa e você não? "Você não é todo mundo!!". Pode parecer óbvio, mas é a pura verdade. Ficar se comparando aos colegas que passaram de ano ou ao irmão mais velho que nunca reprovou, pode ser fonte de mais tristeza e frustração. E se esta comparação vier de você, pior ainda!! Você deve ter em mente que é normal do ser humano tentar se comparar aos outros, mas seu filho deve se comparar somente a ele mesmo. Como estavam as notas dele no boletim passado, como ele aprendeu um conteúdo que ele deixou passar no ano anterior, como está o rendimento dele neste novo ano.

    6. Faça perguntas “o que” , não perguntas “por que” ao conversar com seu filho: As perguntas “por que” convidam seu filho a dar desculpas - culpar alguém ou alguma coisa por seus problemas escolares. As perguntas "O que" pedem ao seu filho para relatar os fatos. Portanto, não é "Por que você está indo mal na escola?", é "O que está acontecendo?" . Esta estratégia é especialmente poderosa para crianças e jovens que têm dificuldade de se expressar ou se comunicar.

    7. Procure ajuda profissional: aqui, nós dividimos em duas categorias:

    • Seu filho pode estar apresentando problemas acadêmicos (dificuldade em matemática, em história ou em outra disciplina), neste caso você pode desde o início do ano procurar professores de reforço. Algumas escolas oferecem professores no contra turno gratuitamente para ajudar os alunos.

    • Seu filho pode estar apresentando dificuldades de relacionamento ou emocionais. Muitas vezes, o problema é a adaptação a uma nova cultura, a uma nova escola ou a uma nova cidade. Neste caso, existem diversas possibilidades que podem ajudar. Uma delas é o Projeto Chōchō, onde você conta com apoio de profissionais que possam desenvolver diversas habilidades e competências que podem estar faltando ao seu filho. O Projeto Chōchō promove através de atividades jogos e brincadeiras a "aceitar ao novo", melhora a comunicação, ou ainda ajuda o seu filho gerenciar melhor os sentimentos e emoções.


    LEIA MAIS: Como o Projeto Chōchō pode ajudar o seu filho!


    Quando se trata do que fazer quando seu filho reprova na escola, transformar notas ruins em notas boas é um esforço de grupo entre pais, professores e alunos.


    Organizar uma agenda de tarefas, trabalhar a autoestima, acompanhar o desenvolvimento durante todo o ano e procurar saber o que está acontecendo na escola e com a criança são estratégias extremamente uteis para para que os pais caminhem lado a lado com a criança, para que ela não volte a reprovar e tenha sucesso ao final do ano letivo.


    E aí, gostou das nossas dicas? Se o seu filho ou filha está enfrentando dificuldades de adaptação na escola, nós podemos te ajudar. Clique aqui e veja como! Até breve.


    Fonte: Projeto Chōchō




    61 visualizações

    © 2020 Projeto Chōchō