• Projeto Chōchō

    8 Problemas de comportamento infantil e como resolvê-los

    Atualizado: 9 de Out de 2019

    Lucas é muito barulhento. Ele é teimoso e responde rudemente toda vez que sua mãe diz alguma coisa. Julia é mal educada com a mãe, mesmo em público. É um pesadelo toda vez que Cris leva seu filho de sete anos, Ryan, para a casa de uma amiga ou para as festinhas de aniversário. Ele fica empolgado e se serve de tudo o que 'gosta', sem perguntar.


    Todos nós já nos deparamos com crianças mal educadas ou respondonas. Você já se perguntou por que elas são assim? Veja aqui sinais e sintomas de comportamentos anormais, porque acontecem e dicas de como lidar com eles.

    LEIA MAIS: Saiba a importância da Autorregulação para os seus filhos


    Parece familiar para você? Estamos falando das muitas questões de comportamento nas crianças com as quais os pais precisam lidar todos os dias.


    O Projeto Chōchō entende a situação dos pais quando seus filhos se comportam mal. Para tornar a vida um pouco mais fácil, fornecemos informações sobre os problemas comuns de comportamento infantil, como você pode identificá-los e resolvê-los. Mas antes disso, você não acha que precisamos saber o que é um comportamento normal?

    O que é um comportamento normal infantil?


    Não há critério para o comportamento "normal". Depende muito da idade da criança, da personalidade, do desenvolvimento emocional e ambiente de educação.


    Em geral, o comportamento de uma criança é considerado normal se for social, desenvolvimental e culturalmente apropriado. Você pode considerar o comportamento de uma criança normal, mesmo que não atenda às expectativas sociais ou culturais, mas que seja apropriado para a idade e que não seja prejudicial.


    Como você diferencia uma criança que se comporta mal de uma que se comporta bem?


    LEIA MAIS: Como ajudar seus filhos a controlar a agressividade?


    Sinais e sintomas de comportamento anormal nas crianças


    A gente pode achar muitas vezes "fofinho" quando uma criança pequena é "malcriada". Algumas birras, discussões e gritos de vez em quando não são anormais. Mas se esse comportamento se tornar uma ocorrência diária, é motivo de preocupação. Aqui estão alguns sinais que indicam que o comportamento do seu filho é anormal.

    • Seu filho parece ter dificuldade em controlar suas emoções. Ele tem frequentes explosões emocionais e pequenas coisas o incomodam.

    • Não é normal se sua menina ou menino de oito anos se tornar impulsivo. Eles podem exibir comportamento destrutivo, como bater, jogar coisas, gritar, etc.

    • Seu filho que era comunicativo agora se "enfia em uma concha", responde de forma agressiva e é rude sem motivo aparente.

    • Seu menino talvez esteja mentindo com mais frequência do que você imaginou. Roubar ou pegar coisas que não lhes pertencem se torna um hábito.

    • O comportamento do seu filho está afetando o desempenho dele na escola. Por exemplo, seu filho pode entrar em brigas, chegar atrasado ou perder aulas.

    • As discussões e desentendimentos que sua filha de sete anos tem com os colegas tornam-se problemas que afetam sua vida social. Isso não é normal.

    • Eles são incapazes de se concentrar em uma coisa, ficarem inquietos, extremamente preguiçosos ou desorientados.

    • Apresenta comportamentos sexuais que não são apropriados para a idade.

    • Seu filho começa a questionar suas instruções e não responde à disciplina. Ele pode desafiar as regras apenas para desafiá-lo.

    • Não é normal que as crianças se machuquem ou até pensem em auto-mutilação. Portanto, se eles estão se machucando fisicamente e com tendências suicidas, você deve ficar preocupado.

    É importante notar que a parte racional do cérebro ainda não foi desenvolvida em crianças menores de 3 anos e, portanto, é motivada por suas emoções. À medida que envelhecem, a racionalidade melhora, mas eles ainda precisam de nosso apoio para gerenciar suas emoções. Isto é normal.


    Além disso, comportamentos anormais menores podem ser corrigidos por meio de terapia comportamental e mudança na atitude dos pais.


    Então, quais são esses distúrbios de comportamento em crianças que exigem um pouco mais de esforço para serem tratados?


    LEIA MAIS: Rebeldia na Adolescência: por que eles se rebelam e como lidar com isso?


    8 Problemas comportamentais comuns em crianças


    É comum as crianças violarem as regras e irem contra a norma para 'testar' a autoridade. Só assim eles entendem qual comportamento é apropriado e o que não é. Continue lendo para aprender sobre os comportamentos que as crianças tendem a exibir de tempos em tempos e como você pode lidar com uma criança com problemas de comportamento.

    1. Desrespeito e retrocesso

    Quando sua filha de três anos responde de forma "malcriada", pode parecer engraçado e adorável. Mas quando sua menina de sete anos de idade grita um "não" toda vez que você pede que ela faça alguma coisa, isso pode lhe dar nos nervos. Se não for tratado adequadamente, o "retruco" pode levar a discussões entre pais e filhos.

    Então, o que você faz?

    1. Se seu filho responder, mas seguir suas instruções , ignore-o. Ignorar o "retruco" pode ser bom se o comportamento não for ameaçador ou destrutivo.

    2. Se a criança seguir as instruções, mesmo que responda, reconheça que elas fizeram o que você pediu, mesmo que não quisessem. Você pode então explicar que não há problema em ficar com raiva, mas que ela não pode falar com você desrespeitosamente.

    3. Mas se as respostas da criança ameaçam os outros ou a si próprio , você precisa prestar atenção ao que elas dizem e lidar com isso com cuidado.

    4. Não responda impulsivamente. Deixe a criança se acalmar e depois discuta o que ela disse. Diga-lhes calmamente que comportamento é aceitável e o que não é.

    5. Estabeleça limites e conscientize-os das consequências. Não ameace, apenas afirme fatos claros de que, se responderem, não tomarão sorvete ou vão ao cinema. Por exemplo, diga a eles que, se continuarem a gritar, elas serão retiradas da mesa de jantar. No entanto, se eles pararem de gritar e ouvirem, terão algo de bom depois da janta. Essa troca parecerá menos controladora, mas dará a opção à própria criança.

    6. Defina expectativas, mas às vezes você pode ser um pouco flexível se isso deixa eles felizes.

    7. Finalmente, verifique rapidamente como você se comporta com as crianças ou com outras pessoas quando elas estão por perto. Você é rude ou desrespeitoso? Se sim, você precisa começar mudando seu comportamento.


    LEIA MAIS: Pare de elogiar seus filhos! Você pode estar prejudicando eles!


    2. Linguagem abusiva

    As crianças gritam e gritam quando estão com raiva. Mas se eles começarem a xingar mesmo antes dos 10 anos, você deve se preocupar.


    Eles podem começar a gritar ou usar linguagem abusiva para levá-lo a uma discussão ou simplesmente para conseguir o que querem. Quando seu filho usa linguagem ofensiva e xinga, você deve fazer isso:


    1. Verifique se você não está usando esse idioma na frente das crianças.

    2. Tenha tolerância zero para abuso verbal em casa. Não há desculpa para xingamentos. Portanto, se eles usarem essa linguagem, haverá uma consequência.

    3. Explique claramente as consequências e verifique se elas estão compreendendo. Portanto, se sua menina de nove anos estiver de castigo por um dia por linguagem abusiva, ela terá que perder sua prática de futebol ou aula de música. Não deve haver negociação.

    4. Se seu filho está usando esse tipo de palavreado, corrija-o imediatamente. Diga a eles que é uma “palavra ruim” e as pessoas não gostam dessa palavra ou de crianças que a usam.

    Se você usou essas palavras na frente de seu filho, peça desculpas imediatamente. Você pode até pedir ao seu filho para lembrá-lo de que é um palavrão, se você o disser na frente dele.


    LEIA MAIS: Exercícios de Mindfulness: como treinar calma, estabilidade e concentração em crianças?


    3. Comportamento agressivo ou violento

    Não há problema em as crianças ficarem com raiva. Mas se essa raiva se torna violenta ou se transforma em comportamento agressivo em crianças, é um problema. Transtornos de humor, psicose, transtorno de conduta, trauma, impulsividade ou frustração podem causar agressão em crianças pequenas. Às vezes, seu filho pode recorrer à violência para se defender.


    Agressão também pode ser um comportamento aprendido. Como está o ambiente em casa? Ou a criança está aprendendo a ser violenta na escola? Se seu filho tende a reagir a uma resposta negativa batendo, mordendo ou chutando, é isso que você deve fazer:

    1. A maneira mais fácil de responder à agressão em crianças é gritando com elas. Mas se você fizer isso, acabará ensinando a eles as coisas erradas. Seus filhos esperam que você saiba como controlar seus impulsos e emoções. Portanto, em vez de levantar a voz, diminua o tom e diga para eles se acalmarem.

    2. Reflita seus sentimentos, tenha empatia! Mas deixe claro que não é permitido bater, chutar ou morder. Você poderia dizer algo como: “Eu sei que você está com raiva! Mas não mordemos, batemos ou chutamos as pessoas! Não faça isso!"

    3. Diga-lhes quais serão as consequências se elas se tornarem violentas. Se você estiver lidando com uma criança mais nova, diga a eles o que eles podem fazer. Dê a eles uma alternativa! Por exemplo, ensine-os a usar palavras e frases como "estou com raiva" ou "não gosto" ou "não estou feliz com isso" quando estiverem chateadas, em vez de recorrer à violência física.

    Mas o mais importante: seja um bom modelo e evite dar-lhes castigos físicos! Além disso, recompense um comportamento positivo e não agressivo.

    LEIA MAIS: Saiba como acabar com as crises de birra dos seus filhos com 8 dicas incríveis!


    4. Mentir

    É comum as crianças mentirem. Também é comum que os pais se preocupem quando pegam as crianças mentindo. Você pode se sentir traído, magoado e até se perguntar se pode confiar na criança novamente. Mas aqui está o que você deve fazer para impedir que seu filho minta:

    1. Não leve para o lado pessoal. Pense na perspectiva do seu filho para entender o que o levou a mentir.

    2. As crianças podem mentir quando têm medo de que a verdade possa ter consequências negativas. Aprecie os aspectos positivos em vez de punir o comportamento negativo para evitar a necessidade de mentir do seu filho.

    3. Ensine-os a serem honestos . Comece sendo um modelo. Se você mente para outra pessoa na frente do seu filho, ele vai começar a usar este seu comportamento à favor dele.

    4. Tenha consequências bem estabelecidas para mentiras. Sem argumentos ou discussões sobre o assunto. Se seu filho mente, ele pode lidar com as consequências.

    LEIA MAIS: Acabe agora com a dificuldade de concentração dos seus filhos!


    5. Bullying

    O bullying é um problema sério e pode resultar em abuso físico e emocional da vítima. As crianças tendem a intimidar outras pessoas para se sentirem poderosas.


    Além disso, o bullying resolve seus problemas sociais facilmente. Quando lidar com sentimentos se torna difícil, as crianças tendem a se envolver em bullying para consertar as coisas. Se você achar que seu filho tem intimidado outras pessoas (na escola por exemplo), você deve agir imediatamente.


    1. Comece a ensinar seus filhos desde cedo que o bullying é errado . Mais importante, explique a eles o que é ou quem é um valentão e dê exemplos do que os agressores fazem. Por exemplo, você pode dizer: "Um valentão é alguém que chama nomes de pessoas, ou sfaz coisas ruins para os outros, ou toma suas coisas à força!".

    2. Estabeleça regras e padrões em casa desde o início. Faça uma declaração como “ não intimidamos nesta casa” ou “você não vai se dar bem com este tipo de atitude nesta casa”.

    3. Cuidado com os sinais de bullying: veja se seus filhos mais velhos estão tentando intimidar os mais novos e retifique o comportamento imediatamente.

    6. Manipulação

    A manipulação é complicada e um comportamento muito desgastante de lidar.

    As crianças tendem a agir, mentir ou chorar para conseguir o que querem.


    Se você ceder ao mau comportamento das crianças, ele se sentirá recompensada. Por exemplo, se seu filho faz birra em público por uma barra de chocolate e você compra uma para ela, ela acabou de manipular você.


    Em palavras simples, quando seu filho manipula você, ele tem poder sobre você. Como o adulto da situação, você sempre pode quebrar o padrão de comportamento e parar de ceder à manipulação do seu filho.


    1. Sempre imagine que seu filho protestará toda vez que você disser 'não'. Dessa forma, você pode descobrir como lidar com o comportamento deles e não cair na manipulação.

    2. Deixe claro que quando você diz 'não', significa não. Você pode dar uma breve explicação sobre sua posição, mas não se justifique.

    3. Evite discussões, mas não as dignore completamente. Tente ouvir o argumento deles, desde que a criança seja respeitosa e não rude ou abusiva.


    LEIA MAIS: Baixa Autoestima: O que fazer quando a criança apresenta indícios?


    7. Falta de motivação e preguiça

    Seu filho não parece interessado em fazer nada. Seja na escola, ao praticar esportes, música ou artes, ou até mesmo em brincadeiras, ele se recusa a participar. Motivar as crianças não é fácil, especialmente se elas são preguiçosas e tendem a encontrar uma desculpa para não fazer nada. Quando seu filho ou filha está desmotivado, você pode ajudar assim:


    1. Não fique ansioso pelo comportamento do seu filho. Quando você fica desse jeito, pode ser visto como agressivo, e isso pode incentivá-los a ter mais resistência à você e ao que você diz.

    2. Você pode contar a eles as histórias sobre sua infância e compartilhar suas experiências para inspirá-los e incentivá-los a tentar algo novo.

    3. Não force seu filho a adotar um hobby. Dê a eles opções e deixe-os escolher. As crianças tendem a se interessar por algo que elas mesmas escolhem.

    4. Dê um passo para trás e analise : você está forçando seu filho a fazer alguma coisa? Pergunte o que seu filho realmente quer e o que o motiva? Veja seu filho como uma pessoa "separada de você" para identificar o que os motiva. Nem sempre eles vão gostar das mesmas coisas que você gosta.

    5. Tente encontrar maneiras de motivar seus filhos por conta própria. A auto-motivação é mais poderosa do que ser conduzida por outros.

    6. Incentive as crianças mais novas a assumirem as tarefas diárias, tornando-as divertidas. Você pode definir uma competição de quem pega o maior número de brinquedos ou pedaços de papel do chão ou quem arruma a cama primeiro. Algumas crianças tendem a se motivar mais quando há algum tipo de competição.

    7. Para crianças maiores, você pode mais responsabilidades como lavar a louça, arrumar a mesa ou limpar o chão. Estabeleça limites e condições, como "só assistiremos ao filme depois de terminar sua tarefa ." Ao condicionar os interesses deles às tarefas, você acaba dando indiretamente motivação para que eles realizem as atividades até o final.

    LEIA MAIS: 5 mitos sobre o Desenvolvimento Socioemocional (e porque seu filho deve aprender desde cedo)


    8. Problemas comportamentais na escola

    "Eu odeio a escola!" É algo que você ouve sua criança de cinco anos dizer todas as manhãs? As crianças geralmente incomodam os pais ao recusar ir à escola ou concluir as tarefas de casa a tempo. As crianças podem se recusar a ir à escola por várias razões: bullying, dificuldade de entender a explicação do professor, resistência à autoridade e regras ou ainda insegurança e ansiedade de se separar dos pais.

    1. Comece chegando à raiz do problema. Descubra por que seu filho odeia a escola ou se recusa a fazer a lição de casa. Você pode ajudá-lo com a lição de casa, se ele tiver problemas.

    2. Seu filho pode levar algum tempo para se adaptar à escola e aos professores. Entenda que a mudanças levam tempo para serem processadas e isso não ocorre da noite para o dia.

    3. Ofereça incentivos, e não subornos, para reforçar comportamentos positivos. Por exemplo, você pode dizer: "você ganhou uma hora a mais de computador hoje à noite porque fez sua lição de casa sem lembretes".

    Problemas comportamentais nem sempre são simples o suficiente para lidar. Apesar de você ser pai ou mãe, você não consegue (e não precisa) resolver tudo sozinho.


    Se a situação fugir do controle, você sempre pode procurar a ajuda de um profissional em casos complicados.

    LEIA MAIS: 10 erros que você comete com seu filho!! (e como fazer para corrigi-los)


    Caso comportamentos anormais se transformem em algo incontrolável em casa, ou se seu filho cometer um erro repetidamente, é hora de consultar um médico. Pode haver uma razão mais profunda para ele se comportar de uma determinada maneira.


    O profissional analisará a saúde física e mental da criança antes de recomendar medicamentos, terapia especial ou aconselhamento.


    No entanto, fica a pergunta: em que casos ou em que situações o comportamento da criança pode ficar fora de controle?


    No próximo post, vamos explicar de forma resumida os principais distúrbios de comportamento nas crianças e suas causas.


    Fonte: Mom Junction



    65 visualizações

    © 2020 Projeto Chōchō